Corpo Prânico

Entendemos Yoga como uma ciência.
Uma arte de auto exploração.
A contemplação em movimento, que visa trazer a clareza de uma única revelação. A de que eu, você, e tudo a nossa volta, estamos conectados e em essência somos uma coisa só.

Sim, a energia do universo inteiro, está de algum modo, dentro de cada um de nós e em todos nós.

Essa energia que chamamos de Prana ou Chi está sempre se movimentando.
* a palavra Prana é traduzida do sânscrito “Praan” em que “pra” indica “movimento” e “an” significa “constante”.

Estamos ingerindo, expelindo e compartilhando prana em todas as ações de nossa rotina. Quando respiramos, quando comemos e bebemos algo, quando corremos utilizando todos os músculos ou quando permitimos que os fótons de luz penetrem nossos olhos para ver os objetos a luz do Sol.
O coração humano, símbolo máximo de nosso centro é também o representante ideal das trocas de gás, sangue e energia que vem e vão em todo o nosso corpo e mente.

Na prática de Yoga exploramos e energizamos as 5 formas principais de Prana, de nomes: Udana, Prana, Samana, Vyana, Apana.
Estes são também chamados corpos prânicos ou de energia no corpo.

Cada um deste se relaciona a uma diferente parte do corpo tendo também correlação com órgãos, funções, e centros energéticos.



Udana
Este prana se refere às regiões superiores do corpo, incluindo o pescoço e a cabeça. É o canal energético responsável pelos neurônios, sistemas nervoso, órgãos dos sentidos, habilidade e força mental.
Por se relacionar também com a autoexpressão este canal tem relação direta com o chakra (centro energético) da garganta, Vishuddhi.

Quando desequilibrado o canal de Udana pode trazer problemas de audição, cegueira e outros tipos de paralisia e insensibilidade.

Os melhores asanas para trabalhar este canal energético são: invertida sobre os ombros (Salamba Sarvangasana), postura do peixe (Matsyasana) ou ainda a postura da ponte (Setu Bandha Sarvangasana).

Prana
Aqui nos referimos a parte média, torácica do corpo, mais especificamente entre o diafragma e a garganta.
Regulação da respiração, percepção sensorial, concentração da visão, batimento cardíaco, emoções e consistência mental são algumas das funções energizadas por este canal.
Alguns textos também relacionam este ao centro energético Ajna, localizado entre as sobrancelhas, embora o mais comum seja a relação com o centro Anahata, do coração.

Quando em desequilíbrio pode levar a depressão, sentimentos auto depreciativos e problemas cardíacos e-respiratórios.

Os Asanas indicados para trazer vitalidade a prana vayu são: Cobra (Bhujangasana), postura do arco (Dhanurasana) ou a postura do camelo (Ustrasana).


Samana
Este é o canal da energia vital que se relaciona com o abdômen, região gástrica e intestinal.
Localizada na região do umbigo acima, até o diafragma, tem como função primordial os processos de nutritivos, digestivos e de metabolismo, se referindo também ao fígado, estômago e intestinos.
O elemento associado a este canal é o fogo e o chakra é o Manipura.

Quando em desequilíbrio pode causar problemas gástricos e intestinais, falta de apetite e desajustes de metabolismo.

Os asanas para esta região são: postura da árvore (vrksasana), postura do ângulo fechado (baddha konasana) e a postura do gafanhoto (salabhasana).

Apana
O canal de prana que assume a parte inferior da coluna vertebral, contemplando a região dos órgãos sexuais e de excreção.
Tem como função principal trazer a limpeza de dentro do corpo para “fora” representando a excreção de fezes, gás e urina. Os órgãos associados são os rins, bexiga, intestino delgado, região reprodutora.
Também é o canal que auxilia no nascimento de um novo ser, que coordena os ciclos menstruais, a ejaculação e estímulo sexual.
O centro energético representante é o primeiro chakra, Muladhara.

Em desequilíbrio pode levar a intestino preso, preguiça, negatividade e depressão.

Os asanas para trabalhar com Apana vayu são: postura da criança (balasana), Malasana e postura do guerreiro (Virabhadrasana)


Vyana
Este é o corpo prânico que envolve todo o corpo, sendo o responsável pela aura.
Este canal integra as outras quatro formas de prana através dos centros sutis de energia chamado de Nadis e acolhe todo o sistema circulatório e nervos do corpo.
O centro energético associado é o Swadhistana localizado abaixo do umbigo, aproximadamente dois dedos dentro do corpo.

Desequilíbrios nesta canal podem levar a fraqueza muscular, falta de coordenação entre membros motores e sensoriais e sensações inusitadas de medo.

Os asanas que ajudam a trabalhar Vyana vayu são: pose de águia (garudasana), pose da meia lua (ardha chandrasana).


Deste forma com os 5 Pranas devidamente trabalhados e equilibrados criamos o espaço de saúde física, mental e espiritual que nos permite assumir olhares mais profundos sobre nós e sobre o mundo.

E se gostou deste post não deixe de compartilhar com os amigos e comentar o que achou.

Hari OM





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *